HIPERTIREOIDISMO SUBCLÍNICO DEVE SER ACOMPANHADO

PESO IDEAL É SAUDÁVEL

7 de novembro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A OSTEOPOROSE, SUAS CONSEQUÊNCIAS E SUAS COMPLICAÇÕES PARA A SAÚDE. É TAMBÉM UM GRANDE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA.

A osteoporose é uma condição caracterizada por uma diminuição na densidade mineral óssea, diminuindo sua força e resultando em ossos frágeis. A osteoporose literalmente leva a ossos anormalmente porosos, que é compressível, como uma esponja. Este distúrbio do esqueleto enfraquece os ossos e podem ocorrer fraturas freqüentes nos ossos como consequência. A osteopenia é uma condição do osso que é um pouco menos denso do que o osso normal, mas não com o grau de densidade do osso na osteoporose. O osso normal é composto de proteína, colágeno e cálcio, que dão a sua força óssea. Os ossos que são afetados por osteoporose podem sofrer fratura com lesão relativamente menor do que a que normalmente não causaria fratura de um osso normal. A fratura pode ser tanto na forma de fissuras (como em uma fratura de quadril) ou colapso (como em uma fratura de compressão das vértebras da coluna vertebral). A coluna, o quadril, as costelas, e os pulsos são áreas comuns de fraturas ósseas por osteoporose, embora fraturas relacionadas à osteoporose podem ocorrer em quase qualquer osso do esqueleto.
A osteoporose pode estar presente sem qualquer sintoma durante décadas porque a osteoporose não causa sintomas até que ocorra a fratura óssea. Além disso, algumas fraturas osteoporóticas podem escapar por anos, enquanto elas não causam sintomas. Portanto, os pacientes podem não estar cientes da sua osteoporose até sofrer uma fratura dolorosa. O sintoma associado com fraturas osteoporóticas normalmente é a dor, a localização da dor depende da localização da fratura. Os sintomas da osteoporose nos homens são semelhantes aos sintomas da osteoporose em mulheres. Fraturas da coluna vertebral (vértebras) podem causar graves dor em faixa, dor que irradia da parte de trás para os lados do corpo. Ao longo dos anos, repetidas fraturas da coluna vertebral podem levar a dor crônica nas costas , bem como perda de altura e/ou curvatura da coluna vertebral devido ao colapso das vértebras.
O colapso confere às pessoas uma aparência de corcunda da parte superior das costas, muitas vezes chamada de "corcunda ", porque geralmente é vista em mulheres idosas. A fratura que ocorre durante o curso da atividade normal é chamado de um trauma mínimo, ou fratura por estresse. Por exemplo, alguns pacientes com osteoporose desenvolvem fraturas por estresse do pé, enquanto caminham ou pisam fora de uma calçada. As fraturas de quadril podem ocorrer tipicamente como resultado de uma queda.Com osteoporose, fraturas de quadril podem ocorrer como resultado de acidentes triviais. As fraturas de quadril também podem curar lentamente ou ficar mal curada após a correção cirúrgica por causa da má cicatrização do osso.

AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

Como Saber Mais:
1. A osteoporose é uma condição caracterizada por uma diminuição na densidade mineral óssea, diminuindo sua força e resultando em ossos frágeis...
http://nutricaocontrolada.blogspot.com

2. A fratura pode ser tanto na forma de fissuras (como em uma fratura de quadril) ou colapso (como em uma fratura de compressão das vértebras da coluna vertebral)...
http://metabolismocontrolado.blogspot.com/

3. O sintoma associado com fraturas osteoporóticas normalmente é a dor, a localização da dor depende da localização da fratura...
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:

Prof. Dr. João Santos Caio Jr, endocrinologista,neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio, endocrinologista,medicina interna-Van Der Häägen Brazil – São Paulo –Brasil;Jaime Gahche, MPH.; Epidemiologista da nutrição, do CDC, National Health and Nutrition Examination Survey / Planejamento Branch, National Center for Health Statistics, Bethesda, Md. Tod Cooperman, presidente do MD, ConsumerLab.com, White Plains, NYCentro Nacional para Estatísticas da Saúde: "Os dados do NCHS Breve n º 61," Abril de 2011.Comunicados de imprensa, a National Institutes of Health.Survey, associação americana de aposentados e do Centro Nacional para Medicina Complementar e Alternativa. Autor médica: William C. Shiel Jr., MD, FACP, FACR. Editor do médico: Dennis Lee, MD. Editor do médico: Catherine driver Burt, MD. 

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz


5 de novembro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: OSTEOPOROSE/DENSITOMETRIA ÓSSEA -

AS FRATURAS OSTEOPORÓTICAS SÃO RESPONSÁVEIS ​​PELA DOR CONSIDERÁVEL, PELA DIMINUIÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA E DIAS DE TRABALHO PERDIDOS.

As fraturas osteoporóticas são responsáveis ​​pela dor considerável, pela diminuição da qualidade de vida, dias de trabalho perdidos, e incapacidade. Até 30% dos pacientes que sofrem uma fratura de quadril vai exigir cuidados de enfermagem por longo prazo em casa. É comum, pacientes idosos desenvolverem pneumonia e coágulos sanguíneos nas veias das pernas que podem se deslocar indo até os pulmões levando à embolia pulmonar, devido ao repouso prolongado no leito após a fratura de quadril. A osteoporose tem sido associada com um risco aumentado de morte. Cerca de 20% das mulheres com uma fratura de quadril morrem no ano seguinte como um resultado indireto da fratura. Além disso, uma vez que uma pessoa tenha experimentado uma fratura da coluna vertebral devido à osteoporose, ele ou ela está em risco muito elevado de sofrer outra fratura deste tipo num futuro próximo (próximos anos). Cerca de 20% das mulheres pós-menopáusicas que sofrem uma fratura vertebral irão sofrer uma nova fratura vertebral no ano seguinte. Nos EUA, 44 milhões de pessoas têm baixa densidade mineral óssea (10 milhões têm osteoporose e 34 milhões têm osteopenia). Isso equivale a 55% da população dos EUA com 50 anos ou mais velhos. Uma em cada duas mulheres caucasianas vai fraturar um osso devido à osteoporose durante sua vida. Nos EUA, o custo direto de saúde devido a fraturas por osteoporose chega a um bilhão de dólares, sem nem mesmo tendo sido considerados os custos indiretos, tais como dias perdidos no trabalho e produtividade.
Aproximadamente 20% das pessoas que sofrem uma fratura de quadril morrem no ano seguinte à fratura. Um terço dos pacientes que sofrem fratura do quadril acaba ficando numa casa de repouso geralmente no prazo de um ano após a fratura. Apenas um terço dos pacientes que sofrem fratura de quadril se recupera da função ao nível pré-fratura. Com o envelhecimento da população mundial, o número de pessoas com fraturas relacionadas à osteoporose aumentará exponencialmente. A dor, sofrimento e impacto global sobre a saúde e custos econômicos serão enormes. A massa óssea (densidade mineral óssea) é determinada pela quantidade de osso presente na estrutura do esqueleto.Geralmente, quanto maior a densidade mineral óssea, os ossos são mais fortes. A densidade mineral do osso é muito influenciada por fatores genéticos, que por sua vez, são por vezes modificados por fatores ambientais e medicamentos.
Por exemplo, os homens têm uma maior densidade mineral óssea do que as mulheres, e afro-americanos têm uma maior densidade mineral óssea do que os caucasianos ou asiático-americanos. Normalmente, a densidade mineral óssea se acumula durante a infância e atinge um pico por volta dos 25 anos de idade. A densidade mineral óssea, então, é mantida por cerca de 10 anos. Após os 35 anos de idade, tanto homens como mulheres, normalmente perdem 0,3% a 0,5% de sua densidade mineral óssea por ano como parte do processo de envelhecimento. O estrogênio é importante na manutenção da densidade mineral óssea em mulheres. Quando os níveis de estrogênio caem após a menopausa, a perda de densidade mineral óssea acelera. Durante os primeiros cinco a 10 anos após a menopausa, as mulheres podem sofrer perda de até 2% a 4% da densidade mineral óssea por ano. Isso pode resultar na perda de até 25% a 30% de sua densidade mineral óssea durante esse período de tempo. A perda óssea acelerada após a menopausa é uma das principais causas da osteoporose em mulheres, conhecido como osteoporose pós-menopausa.


AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Até 30% dos pacientes que sofrem uma fratura de quadril vai exigir cuidados de enfermagem por longo prazo em casa...
http://nutricaocontrolada.blogspot.com

2. Uma em cada duas mulheres caucasianas vai fraturar um osso devido à osteoporose durante sua vida...
http://metabolismocontrolado.blogspot.com/

3. Quando os níveis de estrogênio caem após a menopausa, a perda de densidade mineral óssea acelera. Durante os primeiros cinco a 10 anos após a menopausa, as mulheres podem sofrer perda de até 2% a 4% da densidade mineral óssea por ano...
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:

Prof. Dr. João Santos Caio Jr, endocrinologista,neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio, endocrinologista,medicina interna-Van Der Häägen Brazil – São Paulo –Brasil;Jaime Gahche, MPH.; Epidemiologista da nutrição, do CDC, National Health and Nutrition Examination Survey / Planejamento Branch, National Center for Health Statistics, Bethesda, Md. Tod Cooperman, presidente do MD, ConsumerLab.com, White Plains, NYCentro Nacional para Estatísticas da Saúde: "Os dados do NCHS Breve n º 61," Abril de 2011.Comunicados de imprensa, a National Institutes of Health.Survey, associação americana de aposentados e do Centro Nacional para Medicina Complementar e Alternativa. Autor médica: William C. Shiel Jr., MD, FACP, FACR. Editor do médico: Dennis Lee, MD. Editor do médico: Catherine driver Burt, MD.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

2 de novembro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: OSTEOPENIA PATOLOGIA QUE CONSISTE NA DIMINUIÇÃO DA DENSIDADE MINERAL DOS OSSOS, PRECURSORA DA OSTEOPOROSE.

A perda óssea na doença periodontal é um problema complexo para qual convergem as atenções de crítica, análise e síntese do profissional, pois implica determinação de sua etiologia, sua extensão e, consequentemente, do tipo de tratamento a ser aplicado. Infelizmente não é possível o diagnóstico de através da densitometria óssea convencional na região da cabeça, devido a superposição de ossos que inutiliza as conclusões de espessura e trama óssea através dos ostecitos. Um dos objetivos específicos do tratamento periodontal é paralisar a perda óssea, pois a sua progressão conduz a danos irreparáveis e à perda do dente. A perda óssea na doença periodontal comum não é uma doença ou entidade, mas uma componente que surge em conseqüência da ação de fatores etiológicos locais (irritativos, traumatizantes) e sistêmicos sobre o osso alveolar.
Não representa uma doença óssea especificamente, pois o osso não se encontra infectado, nem é um processo de necrose. A perda óssea é, portanto, de natureza vital, exige células vivas e é marginal. Os fatores que estão relacionados com à perda óssea são: extensão do processo inflamatório, trauma oclusal e condições sistêmicas.No primeiro caso temos a causa comum de perda óssea: é o tipo freqüentemente observado na doença periodontal comum. A extensão da inflamação, através da estimulação por toxinas e pressão dos fluidos inflamatórios, propicia um desequilíbrio osteoblasto-osteoclasto, resultando numa osteopenia, O aumento da reabsorção é uma característica da periodontite. No segundo caso pode ocorrer primariamente por trauma ou associação á inflamação, quando constitui juntos, trauma e inflamação, fatores codestrutivos, o primeiro atuando no periodonto de inserção e o segundo, no periodonto marginal.
No terceiro caso podemos considerar que, teoricamente, a perda óssea metabólica estaria sujeita a aumento da reabsorção hiperparatiroidismo; osteoporose - má formação da matriz orgânica: falta de estrógenos e de andrógenos, diabete mellitus, avitaminose C, hipercorticoidismo, acromegalia; e osteomalacia - mineralização deficiente da matriz orgânica: absorção deficiente de cálcio, insuficiência renal. Se a osteopenia é diagnosticada no primeiro exame, isso não indica que esteja necessariamente ocorrendo perda de osso; pode ser que o pico de massa óssea por alguma razão, inclusive genética, seja abaixo do ótimo. Mas um diagnóstico de osteopenia deve ser visto como uma oportunidade de se procurar proteger a estrutura óssea. O comprometimento das trabéculas ósseas é um grande transtorno para o paciente , e muito maior para o odontologia por exemplo em implantes odontológicos. As pessoas com osteopenia devem procurar prevenir uma perda de massa óssea futura.
Uma alimentação rica em cálcio, ingestão adequada de vitamina D, exercícios, evitar fumo e consumo excessivo de bebidas alcoólicas são fundamentais a saúde do osso. O uso de medicamentos pode ser necessário, dependendo da avaliação do endocrinologista e neuroendocrinologista, além do que devido a difícil retroação da osteopenia, o endocrinologista ou neuroendocrinologista, necessita intervir medicamentosamente para entre diversos fatores interromper a fragilidade trabecular incluindo reposição de terapia hormonal, principalmente em mulheres, pois são mais sucetivel de osteopenia e osteoporose por diminuição do hormônio feminino 17 beta estradiol, que aumenta os receptores de cálcio e pode evitar a progressão na menopausa, HGH – hormônio de crescimento é outro ótimo corretor trabecular, alendronatos, etc.



AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. É importante o controle do uso de suplementos alimentares?
http://nutricaocontrolada.blogspot.com

2.Osteopenia é um fator comprometedor da estrutura ossea, principalmente em odontologia...
http://metabolismocontrolado.blogspot.com/
3. Na mulher a osteopenia é mais brave após o climatério e menopausa se não ocorrer a reposição hormonal TRH...
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:

Prof. Dr. João Santos Caio Jr, endocrinologista,neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio, endocrinologista,medicina interna-Van Der Häägen Brazil – São Paulo –Brasil;Jaime Gahche, MPH.; Epidemiologista da nutrição, do CDC, National Health and Nutrition Examination Survey / Planejamento Branch, National Center for Health Statistics, Bethesda, Md. Tod Cooperman, presidente do MD, ConsumerLab.com, White Plains, NYCentro Nacional para Estatísticas da Saúde: "Os dados do NCHS Breve n º 61," Abril de 2011.Comunicados de imprensa, a National Institutes of Health.Survey, associação americana de aposentados e do Centro Nacional para Medicina Complementar e Alternativa.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel:55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

29 de agosto de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A IMPORTÂNCIA DA DENSITOMETRIA ÓSSEA PARA O DIAGNÓSTICO

E O ACOMPANHAMENTO DO HIPERPARATIREOIDISMO PRIMÁRIO E SEU TRATAMENTO.  

As glândulas paratireóides são dois pares de glândulas endócrinas que se situam atrás ou embebidas na glândula tireóide, e elas produzem paratormônio (PTH), o principal hormônio que regula o cálcio no sangue. Em casos muito raros as glândulas paratireóides estão localizadas dentro da glândula tireóide. Mais freqüentemente existem quatro glândulas paratireóides, mas algumas pessoas têm seis ou até mesmo oito. O hiperparatireoidismo primário tem sido associado com a perda mineral óssea, especialmente na camada cortical (externa) do esqueleto. Resultados de estudos que avaliaram a densidade mineral do osso esponjoso têm sido mais difíceis de serem interpretadas. A maioria dos estudos de densitometria óssea apóia o conceito de que o hormônio da paratireóide parece ter efeitos catabólicos (catabolismo é a parte do metabolismo que se refere à assimilação ou processamento da matéria orgânica adquirida pelos seres vivos para fins de obtenção de energia) na cortical do osso e pode ter efeitos anabólicos (evidências sugerem que o efeito anabólico do paratormônio (PTH) depende não só de sua ação direta sobre osteoblastos (células formadoras de osso)) em locais de osso esponjoso. O hiperparatireoidismo primário é agora cada vez mais detectado durante a fase assintomática. A necessidade de paratireoidectomia tem sido questionada em tais pacientes, pois pode não haver progressão da doença na ausência de cirurgia.
O tratamento médico de hiperparatireoidismo primário até agora tem sido limitado à terapia de reposição hormonal em mulheres na pós-menopausa. A identificação do receptor de cálcio melhorou a nossa compreensão da homeostase (processo através do qual um organismo mantém as condições internas constantes necessárias para a vida) do cálcio, e reduções significativas nos níveis de receptores de cálcio têm sido detectados em adenomas da paratireoide. Assim, uma nova classe de terapias pode incluir os agentes calcimiméticos (substâncias que se unem ao sensor receptor de cálcio e assim se reduz a liberação de hormônio paratireoideo). Os bifosfonato também estão sendo avaliados no que diz respeito ao seu impacto na prevenção de fratura e os seus efeitos benéficos sobre a densidade mineral óssea medida através da densitometria óssea. O hiperparatireoidismo primário foi previamente caracterizado por hipercalcemia (excesso de cálcio no sangue) grave, nefrolitíase (cálculo renal recorrente, osteoporose e osteíte fibrosa cística (destruição óssea cística). 1. Na década de 1970 a hipercalcemia leve tornou-se facilmente detectável com a introdução do Autoanalyser (equipamento laboratorial) e, assim, se observou uma incidência quatro vezes maior de hiperparatireoidismo primário. 2. A maioria das pessoas é assintomática no momento do diagnóstico. Recentemente, um declínio na incidência de hiperparatireoidismo primário tem sido observado. 3. Com a limitação sobre o rastreio do que está ocorrendo agora a nível mundial, a incidência de hiperparatireoidismo primário pode cair ainda mais. Atualmente as taxas de prevalência são cerca de 1 para 4 por 1000, para as mulheres e de 1 para 3 por 1000 nos homens. 4.
Cerca de 3% das mulheres na pós-menopausa são afetadas pelo hiperparatireoidismo. 5. Aqui estamos revisando a fisiopatologia (formação da doença) do hiperparatireoidismo primário no contexto da atual compreensão da homeostase do cálcio, o efeito declínio da doença hiperparatireoidismo primário sobre a densidade mineral óssea, avaliada facilmente através da densitometria e os avanços no manejo clínico da doença.


AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

Como Saber Mais:
1. As glândulas paratireóides são dois pares de glândulas endócrinas que se situam atrás ou embebidas na glândula tireóide, e elas produzem paratormônio (PTH), o principal hormônio que regula o cálcio no sangue...
http://longevidadefutura.blogspot.com/ 


2. O hiperparatireoidismo primário é agora cada vez mais detectado durante a fase assintomática...
http://osteoporose2.blogspot.com/


3. Atualmente as taxas de prevalência são cerca de 1 para 4 por 1000, para as mulheres e de 1 para 3 por 1000 nos homens...
http://osteoporosecontrolada.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Dr João Santos Caio Jr, Diretor Cientifico – Dra Henriqueta V. Caio, Diretora Clinica – Van der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil., Aliya Khan e John Bilezikian - Dr. Khan é professor assistente de clínica médica, McMaster University, Hamilton, Ontário. E Dr. Bilezikian é Professor de Medicina, Columbia University College of Physicians e Surgeons, New York, NY.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar – Conj. 121/122
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

25 de agosto de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A DENSITOMETRIA ÓSSEA EFETUADA COM A DIGITALIZAÇÃO POR DUPLA EMISSÃO DE RAIOS-X

ABSORCIOMETRIA (REFERIDO COMO UMA VARREDURA DE DEXA - DUAL ENERGY ABSORCIOMETRIA XRAY) É MUITO IMPORTANTE PARA ANÁLISE ÓSSEA PARA VERIFICAÇÃO DE PERDA MINERAL ÓSSEA E RISCO DE FRATURA.

A quantidade de osso medido por exames de densidade mineral óssea (DMO) em geral, correlaciona-se com a força dos ossos e sua capacidade de suportar peso. A densidade mineral óssea é medida com a digitalização por dupla emissão de raios-X absorciometria (referido como uma varredura de DEXA - Dual Energy Absorciometria Xray). Ao medir a densidade mineral óssea, é possível prever o risco de fratura da mesma forma que a medição da pressão arterial pode ajudar a prever o risco de acidente vascular cerebral. É importante lembrar que a densidade mineral óssea não pode prever a presença de uma fratura. Ela só pode prever o risco de fratura. Também é importante notar que uma varredura de densidade óssea, ou exame de densitometria, não deve ser confundido com uma varredura do osso, que é um exame de medicina nuclear na qual um marcador radioativo é injetado que é usado para detectar tumores, câncer, fraturas e infecções no osso. A Organização Mundial da Saúde desenvolveu definições para baixa massa óssea (osteopenia) e osteoporose. Essas definições são baseadas em uma medida de quão denso é o osso de um paciente em comparação a um paciente normal, adulto de 30 anos de idade, saudável. Osteopenia é quando ocorre uma diminuição da densidade mineral óssea e ela leva em conta idade, sexo, etnia, tabagismo, alcoolismo. Quando existe osteopenia significa um maior risco de fraturas, mas não satisfaz os critérios para a osteoporose. Osteoporose é quando existe uma acentuada diminuição da densidade mineral óssea. Com base nos critérios acima, estima-se que quase metade de todas as mulheres na pós-menopausa brancas tem osteopenia e que os índices de osteoporose são baixos e há grandes riscos de fratura e queda e não queda e fratura, levando a custos médicos muito altos, incapacidade de viver de forma independente, e até mesmo risco de morte.


AUTORES PROSPECTIVOS 

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

Como Saber Mais:
1. A quantidade de osso medido por exames de densidade mineral óssea (DMO) em geral, correlaciona-se com a força dos ossos e sua capacidade de suportar peso...
http://longevidadefutura.blogspot.com/

2. Ao medir a densidade mineral óssea, é possível prever o risco de fratura...
http://osteoporose2.blogspot.com/

3. Estima-se que quase metade de todas as mulheres na pós-menopausa brancas tem osteopenia e que os índices de osteoporose são baixos...
http://osteoporosecontrolada.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. 


Referências Bibliográficas:
Dr João Santos Caio Jr, Diretor Cientifico – Dra Henriqueta V. Caio, Diretora Clinica – Van der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil., Barclay L.; Healthy Diet May Promote Bone Health in Aging Women. American Journal Clinical Nutrition, 2011.Pinheiro, M. M.; Ciconelli, R. M.; Jacques, N.; Genaro, P. S.; Martini, L. M.; Ferraz, M. B. O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos -The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Revista Brasileira de Reumatologia 2010;50(2):113-27. 

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar – Conj. 121/122
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz


24 de agosto de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A DENSITOMETRIA ÓSSEA É UM EXAME SIMPLES, IMPORTANTE, NÃO INVASIVO,

MEDE A DENSIDADE MINERAL ÓSSEA QUE É MUITO IMPORTANTE PARA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE, RISCO DE FRATURAS E A EVOLUÇÃO DA OSTEOPOROSE ESTANDO EM TRATAMENTO OU NÃO.  

A digitalização de densidade óssea, também chamada de dupla emissão de raios-X (DXA) ou densitometria óssea, é uma forma melhorada de tecnologia dos raios-X que é usada para medir a densidade mineral óssea e, por conseguinte se houve perda óssea. A digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA) é hoje o padrão estabelecido para medir a densidade mineral óssea (DMO). Uns raios-X (radiografia) é um exame médico não invasivo que ajuda os médicos a diagnosticar e tratar problemas médicos. Para se obter a imagem com raios-X consiste em expor uma parte do corpo a uma pequena dose de radiação ionizante para produzir imagens do interior do corpo. Os Raios-X são a forma mais antiga e mais utilizada de imagens médicas.
O exame por dupla emissão de raios-X (DXA) é mais frequentemente realizado na coluna lombar e parte proximal do fêmur. Em crianças e alguns adultos, todo o corpo às vezes é digitalizado. Equipamentos periféricos que utilizam raios-x ou ultra-som são algumas vezes utilizados ​​para a baixa massa óssea. Em algumas comunidades, uma tomografia computadorizada com um software especial pode também ser utilizada para diagnosticar ou monitorar a baixa massa óssea. Isso é preciso, mas menos usado ​​que a digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA).
A digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA) é o método mais frequentemente utilizado para diagnosticar a osteoporose, uma condição que freqüentemente afeta as mulheres após a menopausa, mas também pode ser encontrada em homens. A osteoporose envolve uma perda gradual de cálcio, assim como mudanças estruturais, fazendo com que os ossos fiquem mais fino, mais frágil, mais poroso e mais propenso a quebrar. A digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA) é também eficaz no acompanhamento dos efeitos do tratamento para a osteoporose e outras condições que causam perda óssea. O exame através da digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA) também pode avaliar o risco individual para o desenvolvimento de fraturas. O risco de fratura é afetado pela idade, peso corporal, sexo, antecedentes familiares de fratura prévia, de fraturas osteoporóticas e questões de estilo de vida tais como tabagismo e consumo excessivo de álcool. Esses fatores são levados em consideração antes de se tomar a decisão se um paciente precisa de terapia.
Exame de densitometria óssea é fortemente recomendada principalmente para quem se enquadra nas seguintes questões: Mulher na pós-menopausa e não faz terapia de reposição hormonal com estrogênio. História pessoal ou antecedentes familiares de fratura de quadril ou é tabagista. Mulher na pós-menopausa que é alta, magra e branca. Homem com condições clínicas associadas à perda óssea. Uso de medicamentos que são conhecidos por causar perda óssea, como os corticosteróides como a prednisona, vários anti-epilépticos, alguns barbitúricos, ou altas doses de drogas de substituição de hormônios tireoidianos. Diabetes mellitus tipo 1, doença hepática, doença renal ou história familiar de osteoporose. Hipertireoidismo. Tem uma condição da paratireoide, como o hiperparatireoidismo. Tenham sofrido uma fratura após trauma leve. Evidências radiológicas de fratura vertebral ou outros sinais de osteoporose. A avaliação da coluna vertebral lateral é utilizada em pacientes mais idosos para verificação de fraturas vertebrais e também para os que eles perderam mais de uma polegada de altura, têm dor nas costas sem explicação, se uma digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA) der leituras borderline ou limítrofes.

AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. A digitalização de densidade óssea, também chamada de dupla emissão de raios-X (DXA) ou densitometria óssea, é uma forma melhorada de tecnologia dos raios-X que é usada para medir a densidade mineral óssea e, por conseguinte se houve perda óssea...
http://longevidadefutura.blogspot.com/


2. A digitalização por dupla emissão de raios-X (DXA) é o método mais frequentemente utilizado para diagnosticar a osteoporose, uma condição que freqüentemente afeta as mulheres após a menopausa, mas também pode ser encontrada em homens...
http://osteoporose2.blogspot.com/

3. O risco de fratura é afetado pela idade, peso corporal, sexo, antecedentes familiares de fratura prévia, de fraturas osteoporóticas e questões de estilo de vida tais como tabagismo e consumo excessivo de álcool...
http://osteoporosecontrolada.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:

Dr João Santos Caio Jr, Diretor Cientifico – Dra Henriqueta V. Caio, Diretora Clinica – Van der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil., Barclay L.; Healthy Diet May Promote Bone Health in Aging Women. American Journal Clinical Nutrition, 2011.Pinheiro, M. M.; Ciconelli, R. M.; Jacques, N.; Genaro, P. S.; Martini, L. M.; Ferraz, M. B. O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos -The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Revista Brasileira de Reumatologia 2010;50(2):113-27.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar – Conj. 121/122
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz


23 de agosto de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: DENSITOMETRIA ÓSSEA DUAL – FÓTON; A DENSITOMETRIA ÓSSEA POR DUAL – ENERGY, DUO – FÓTON RX, É UM DOS EXAMES MAIS COMUM PARA O DIAGNÓSTICO DE OSTEOPOROSE,

MAS NÃO É A ÚNICA METODOLOGIA PARA SUA CONSTATAÇÃO, UM EXAME DE RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DA COLUNA REVELA COM MUITA SEGURANÇA A OSTEOPOROSE NA COLUNA VERTEBRAL DE FORMA MUITO CRISTALINA E BEM VISÍVEL. ESTE EXAME DEVE SER EFETUADO FREQUENTEMENTE.

A Densitometria Óssea dual – energy Rx , é composta por 2 (dois) fotos de Rx estabeleceu-se como o método mais moderno, aprimorado e inócuo para se medir a densidade mineral óssea e comparado com padrões para idade e sexo.É um exame que define a massa óssea onde a trama óssea sofre pequenas fraturas com sutis traumas minerais. Esta situação é uma das doenças mais comuns de origem metabólica no mundo ocidental. Existe muita causas que desencadeia esta doença em qualquer fase da vida, desde a fase infantil, crianças, juvenil, adolescente adulto, mas é mais comum na pós-menopausa. Outro fator que deve ser levado em consideração é que ela é mais frequente em mulheres e menos frequente em homens. Hoje é considerada a causa mais importante e mais frequente de fraturas em humanos, e é muito comum a queda por fratura do que a fratura por queda.
Infelizmente é uma doença silenciosa, insidiosa que quando apresenta sintomas já está instalada há muitos anos. A Densitometria óssea por dual – energy, duo – fóton Rx, é um dos exames mais comuns para o diagnóstico de osteoporose, mas não é a única metodologia para sua constatação, um exame de ressonância nuclear magnética da coluna revela com muita segurança a osteoporose na coluna vertebral de forma muito cristalina e bem visível. Às vezes, os testes adicionais como uma medição da densidade óssea TC – tomografia computadorizada, deve ser feito para que a densidade dos ossos e da coluna vertebral podem ser medidos precisamente. Essa é condição indispensável para o diagnóstico e tratamento da osteoporose e de outras possíveis doenças que possam atingir os ossos.
Os aparelhos hoje utilizados conseguem aliar precisão e rapidez na execução dos exames, a exposição à radiação é baixa, tanto para o paciente como para o próprio técnico. O técnico do sexo feminino pode trabalhar mesmo estando grávida. As partes mais afetadas na osteoporose são: o colo do fêmur, coluna, a pelve e o punho. As partes de interesse na obtenção das imagens para diagnóstico são o fêmur e a coluna vertebral.
Pois estatisticamente são áreas muito estudadas e como é por comparação, é mais adequada a comparação com áreas mais utilizadas com fins de diagnósticos. Sabe-se que hoje a densitometria óssea é o único método para um diagnóstico seguro da avaliação da massa óssea e consequente predição do índice de fratura óssea. Segundo a Organização Mundial de Saúde, OMS, a osteoporose é definida como doença caracterizada por baixa massa óssea e deterioração da micro-arquitetura do tecido ósseo. Por observações científicas, os exames devem ser de preferência efetuados frequentemente, com equipamentos da mesma marca e procedência, sempre na mesma região óssea analizada desde a primeira vez e se possível pelo mesmo profissional.
                                                            
  
AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.A densitometria óssea deve ser um exame regular ou seja deve ser frequente em sua execução para observarmos a evolução da densidade óssea ou osteoporose...
http://osteoporose2.blogspot.com

2. A prevenção da osteoporose deve ter início desde a primeira infância...
http://oseoporosecontrolada.blogspot.com

3. Quais são os fatores de risco associados à baixa massa óssea...
http://climateriocontrolado.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.




Referências Bibliográficas:
Dr João Santos Caio Jr, Diretor Cientifico – Dra Henriqueta V. Caio, Diretora Clinica – Van der Häägen Brazil, São Paulo, Brasil., Barclay L.; Healthy Diet May Promote Bone Health in Aging Women. American Journal Clinical Nutrition, 2011.Pinheiro, M. M.; Ciconelli, R. M.; Jacques, N.; Genaro, P. S.; Martini, L. M.; Ferraz, M. B. O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos -The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Revista Brasileira de Reumatologia 2010;50(2):113-27.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz